Auditoria tributária: 5 passos para reduzir seu risco fiscal

homem tomando café enquanto faz auditoria tibutária

A auditoria tributária é um método utilizado para analisar e revisar todos os procedimentos de uma organização contribuinte. Por meio da auditoria é possível verificar se as obrigações principais e acessórias, demonstrativos e declarações solicitadas pelo Fisco estão em conformidade com as regras estipuladas.

Esse processo é uma forma inteligente de reduzir o risco fiscal de uma empresa.

Neste post você descobrirá o que pode ser considerado um risco fiscal, como a auditoria tributária mitiga boa parte desses riscos, além de conhecer 5 passos indispensáveis para aperfeiçoar qualquer processo de auditoria. Confira!

O que é risco fiscal?

Dificilmente uma empresa não corre riscos fiscais, tendo em vista que o cenário tributário brasileiro é muito dinâmico e complexo, com mudanças constantes nas obrigações das esferas Federal, Estadual e Municipal.

O risco fiscal é caracterizado pela possibilidade de uma empresa ser penalizada por não cumprir fielmente todas as cláusulas da legislação tributária. Por exemplo, uma organização poderia perder o prazos para realizar a entrega de uma obrigação. Também poderia cometer pequenos erros no cálculo de impostos e sonegar involuntária, sem má-fé, algum valor.

Quase sempre, os equívocos são cometidos por causa da complexidade da legislação e das constantes mudança nas leis. Isso confunde os empresários e responsáveis pela área fiscal que, por não acompanharem todas as alterações solicitadas pela Receita Federal, cometem erros com bastante frequência.

Quais situações uma auditoria tributária pode evitar?

Ao auditar uma empresa é possível evitar diversos contratempos que podem prejudicar financeiramente o negócio.

Abaixo listamos 4 situações mais comuns que a auditoria tributária pode detectar e prevenir:

  • Escolha errada do modelo de tributação, o que acaba impedindo a empresa de usufruir dos benefícios em casos de isenção fiscal;
  • Pagamento de tributos de forma equivocada, o que dificulta e prejudica a lucratividade do negócio;
  • Erros nas informações prestadas, decorrentes da falta de conhecimento da legislação e sistema tributário;
  • Multas e autuações por descumprimentos das obrigações fiscais.

Assim, a auditoria tributária vai muito além do cuidado com a legislação. Ela pode identificar diversos processos fiscais que não garantem a conformidade ou aumentam o risco de irregularidades de uma empresa.

5 passos para a redução do risco fiscal

Reduzir o risco fiscal de uma empresa é um processo complexo, trabalhoso, mas possível. Veja como fazer:

1. Acompanhe a legislação tributária

As normas tributárias vigentes sofrem variações constantes e acompanhá-las é essencial para prevenir riscos fiscais. Contudo, conseguir orientações precisas sobre como seu negócio é afetado pelas mudança, nem sempre é fácil. Apesar de a internet ser inundada com textos sobre as alterações em obrigações principais e acessórias ou em suas bases de cálculo, uma simples pesquisa no Google apresentará opiniões divergentes e informações conflitantes sobre um mesmo tema.

Por isso, é essencial contar com uma fonte confiável de pesquisas e consultas. Outra possibilidade seria contratar um software que notifique o responsável pela área fiscal cada vez que surgir uma mudança nas esferas Municipais, Estaduais ou Federal que afete diretamente o CNPJ ou o CNAE da empresa. Se quiser saber mais sobre essa alternativa, confira nosso sistema de calendário de obrigações fiscais.

2. Automatize os processos internos

As empresas têm seguido a tendência de abandonar os processos manuais. Afinal, o controle manual de informações expõem o negócio a riscos relacionados à falha humana, inconsistências e duplicidades de dados, por exemplo.

Quando tratamos informações requeridas para realizar entregas de obrigações fiscais nenhum risco de falha pode ser aceito, pois as consequências podem ser graves para a empresa. Por isso, a automatização dos processos internos é fundamental.

Softwares especializados nos processos fiscais e tributários são a melhor alternativa para  garantir a acuracidade e a segurança das informações que o Fisco analisa.

3. Utilize ferramentas de gestão tributária

As ferramentas de gestão tributária são eficientes para manter o processo sob controle com possibilidade de customização de regras do sistema conforme as especificidades de cada negócio. De forma geral, essas ferramentas são capazes de:

  • Enviar lembretes de obrigações que devem ser cumpridas;
  • Integrar-se com o SPED Contábil e Fiscal;
  • Auxiliar na apuração de tributos;
  • Controlar os lançamentos.

Para acertar na escolha de um bom sistema de gestão tributária é preciso analisar se suas funcionalidades irão suprir todas as necessidades da sua empresa. Nessa hora é fundamental contar com uma consultoria especializada em tecnologias voltadas ao sistema tributário brasileiro.

4. Invista no treinamento dos profissionais

Os profissionais da área fiscal e contábil precisam ser preparados para realizar as entregas de obrigações e fazer auditoria tributária de forma efetiva. Sem dúvida, treinamento é a melhor opção para capacitar os colaboradores e padronizar o nível de conhecimento do grupo.

Lembrando que informação é a chave para evitar que tributos deixem de ser pagos ou que pagamentos indevidos sejam realizados.

5. Fique atento ao enquadramento na CNAE

CNAE é a sigla de Classificação Nacional de Atividades Econômicas. Essa classificação é uma forma de padronizar os códigos e atividades econômicas, bem como os critérios de enquadramentos utilizados pelos órgãos responsáveis pela administração tributária brasileira.

Através do enquadramento do CNAE é possível verificar, por exemplo, se a sua empresa pode ou não optar pelo Simples Nacional. Fazendo isso, uma empresa pode recolher os tributos adequados e reduzir os gastos desnecessários com as tributações.

Acompanhando a legislação tributária, automatizando os processos internos, utilizando ferramentas para gestão de risco, investindo na qualificação dos profissionais e ficando atento ao enquadramento do CNAE, sua empresa estará no caminho certo para criar uma auditoria tributária eficiente,  reduzindo assim o seu risco fiscal.

Gostou desse artigo sobre os passos para reduzir o risco fiscal da sua empresa, por meio da Auditoria Tributária? Aproveite sua vista ao nosso blog para conhecer uma tecnologia que facilita o Compliance e auditoria de sua área fiscal. Solicite agora mesmo uma demonstração!

 

Problemas com o recebimento de notas fiscais